Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

2 Palmos de Reflexão

2 Palmos de Reflexão

21
Jun19

Poupar/Sofrer nos Transportes!

Pedro Almeida

No final de 2018, e depois de muito debate, lá anunciaram a notícia bombástica de que a partir de Abril deste ano seríamos "brindados" com os novos passes sociais, através dos quais, pagamos apenas 40€ para passear nos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa.

 

Todos os utentes iam esfregando as mãos enquanto pensavam no dinheiro que poderiam poupar, por exemplo, quem vinha de Setúbal para Lisboa - de Fertagus - pagava quase 100€ e, tendo em conta a nova medida, iria poupar cerca de 60€ p/mês (720€ p/ ano). Tudo muito bom, não fossem dois graves problemas:

- A oferta de transporte não acompanha a procura;

- A manutenção dos transportes deixa muito a desejar.

 

No que diz respeito à oferta de transportes, parece-me que os deputados esqueceram-se de delinear uma estratégica aliciante que permitisse a compra de novos autocarros/comboios, a contratação de novos motoristas, a melhoria das condições salariais, entre outros. Não obstante da Carris que, recentemente, anunciou a compra de 100 novos autocarros, os outros meios de transporte pouco ou nada fizeram*.

 

* - O Metropolitano de Lisboa até tem levado a situação de uma forma humorística através do "jogo da cadeira", qualquer dia a Assembleia da República tem mais assentos que o próprio metro, que vai retirando bancos de todas as carruagens.

 

Por último, e não menos importante, o ministro do ambiente tem razão, "não há caos coisíssima nenhuma", apenas há uma mixórdia de situações que levam a que os transportes se transformem numa espécie de "salve-se quem puder" e que as pessoas ativem o seu instinto de sobrevivência. 

 

Poderá haver salvação, mas até agora só vale a pena aproveitar o dinheiro que se poupa nos transportes!

 

06
Jan19

Polémica em “fora de jogo”

Pedro Almeida

Portugal é um país que, aos poucos, se tem vindo a vangloriar, e com todo o mérito, devido ao reconhecimento no que diz respeito ao turismo - 37 “óscares” do Turismo em 2017 -; ao desporto - Campeão Europeu de Futebol em 2016 e de Futsal em 2018 -; à música - Vencedor do Festival da Eurovisão em 2017 -; e outros tantos passos vitoriosos que dão “alma” a este pequeno país, o qual voa sob os céus onde poucos se aventuram.

 

Toda esta alegre azáfama se perde quando nos debruçamos nos inglórios comentários redigidos e até proferidos, por parte dos altos dirigentes e diretores de comunicação dos grandes clubes - Benfica, Sporting e Porto - e não só (os comentadores televisivos acabam por caber no mesmo “saco”). Infelizmente, há comentários para todos os “desgostos” de quem assiste a um espetáculo pobre em palavras mas rico em termos de polémicas, uma vez que não é possível retirarmos nenhuma decência de tais palavras.

 

Como é que nos podemos dar ao luxo de, num desporto que se apresenta perto do auge de títulos desportivos - individuais e coletivos -, estar “fora de jogo” no discurso comunicacional? Aliás, como é que tal pode ocorrer no seio de diretores de comunicação, os quais, através de uma pesquisa no Linkedin, apresentam licenciaturas em jornalismo ou ciências da comunicação?

 

Neste momento já passaram de redatores de notícias à própria notícia, pelos piores motivos. Começa a tornar-se perigoso e contagiante todo este tipo de comentários, isto porque se estendem ao domínio pessoal não só de cada dirigente como também dos árbitros - estes são os principais visados e já houve agressões aos mesmos, devido a jogos menos bem conseguidos e, consequentemente, criticados.

 

Tal como Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, proferiu em Fevereiro de 2018, é necessário criar um código deontológico que sirva de base, principalmente, para os diretores de comunicação e possa vir a elucidar o importante papel que estes profissionais têm nos seus clubes. Deste modo, conseguirá  pôr um fim ou alguma “água na fervura” para desanuviar tais clivagens que têm vindo a denegrir a imagem do mundo do futebol em Portugal.

 

Há que haver limites e quem ousar ultrapassá-los, como tem vindo a acontecer, terá de ser severamente punido para que o verdadeiro espetáculo seja dentro das “quatro linhas” e não fora delas. O El País, aclamado jornal espanhol, escreveu no dia 2 de Março de 2018 que, e passo a citar, “(…)os problemas não são nos relvados, os sarilhos do futebol português, nascem, crescem e multiplicam-se noutros palcos (…)”, quer isto dizer que todos os holofotes estão virados para nós e acredito que não é esta a imagem que queremos passar.

 

Se as farpas continuarem em 2019, o melhor mesmo é ligarmos para o 112 antes que se possam transformar num “incêndio” de altas dimensões, ainda pior do que aconteceu na Academia do Sporting, o que poderia manchar por completo a imagem do futebol português, fazendo esquecer os sucessos que têm vindo a ser alcançados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D